Páginas

sábado, outubro 27, 2007

Semana de tanta poesia...





Semana de tanta poesia...


Noite de segunda-feira, 8 de outubro. Desembarco no Aeroporto Tom Jobim; como sempre, com a melodia e a letra de alguma canção maravilhosa do Maestro Antônio Brasileiro na cabeça. A demora na fila de espera para estacionar o avião; a demora na chegada das bagagens à esteira; a demora, a demora... Religo o celular. Um recado: “Sarau poesia erótica, Bar do Adão, Botafogo, Rua Dona Mariana...” – sei onde fica. Chego a Copacabana, deixo a bagagem na portaria do prédio da minha sempre hospitaleira Tia Miriam, aproveito o mesmo táxi e retorno a Botafogo.

Irreverência e performance. Não sou performático... Isso é coisa para o Gabriel Nascente e o Marcos Caiado. Mas contam da minha presença (coisa do poeta Luiz Fernando Proa, é certo) e atrelam-me à Academia Goiana de Letras; Cairo Trindade, o poeta que, ao lado da mulher Denises (assim mesmo, no plural) dirige o evento, anuncia-me com certo tom de estranheza: “Bem, ele é de Academia, mas há de compartilhar conosco...”. Rimos todos e surpreendi os poetas com meu modo de ser não-acadêmico (ou, ao menos, contrário ao conceito do que têm eles por “acadêmico”).

Foi Luiz Proa quem me avisou: “Amanhã, terça-feira, a partir das seis e meia (noitinha, é claro), tem sarau no Teatro Gláucio Gil”. Sei onde fica, também; pertinho da morada da minha tia. Fui lá. Conheci poetas, encontrei Sergio Pietroluongo, localizei ex-alunos do Colégio Pedro II ao responder à organizadora a razão de minha estada por lá.

Quarta-feira, o dia dos meus saraus no Colégio, e já falei neles em outra crônica, há dois domingos. Então, vamos à quinta-feira, dia 11, véspera de feriado nacional. Ouço, numa mesa-redonda, os acadêmicos Antonio Olinto, Antônio Carlos Secchin e Ivan Junqueira, mais o professor Ivo Barbieri, em homenagem aos 150 anos de nascimento do poeta fluminense (e membro fundador da ABL) Alberto de Oliveira.

No sábado, novo sarau de poesia. Dessa vez, no Barteliê, um apartamento-bar em Ipanema, em endereço que diz muito à poesia e à bossa-nova: Rua Vinícius de Morais, esquina com Nascimento Silva. Pude, finalmente, conhecer pessoalmente a poetisa Chris Hermann, carioca residente na Alemanha, com quem forcei uma parceira, ao não resistir ao encanto de um poema seu. E salvei novos contatos, entre eles Clauky Saba e Soraya Vieira, além do maestro Cláudio Mendes, que teceu notas, tons e acordes em torno de um dos meus poemas, com o “auxílio luxuoso” (com licença de Luiz Melodia) de Clauky. Ah, inesquecíveis: a sempre presença de Luiz Proa, poeta e ativista cultural, filmando e fotografando tudo... E o também visitante Carlos Gurgel, poeta potiguar.

Mas havia mais... Havia, na segunda-feira, 15, data consagrada aos professores, uma outra festa; agora, de Antonio Olinto, o imortal da ABL e amigo de Goiás que, a meu convite (e com o apoio da Prefeitura de Goiânia), prestigiou a inauguração, no SESC da Rua Dezenove, em Goiânia, o Espaço Literário José J. Veiga. E o palco dessa festa foi uma belíssima unidade do SESC no Rio de Janeiro, na Rua Marquês de Abrantes, no Flamengo. O palacete de arquitetura mourisca abriga, desde aquela noite, a exposição de máscaras africanas da coleção de Antonio Olinto e Zora Seljan. Momento bom de rever Antonio Olinto, Ivan Junqueira, Gilberto Mendonça Teles (mas não nos encontramos, naquela multidão), Elizabeth Almeida, Edir Meireles, Astrid Cabral...

Semana rica de fatos e pessoas. Tal como eu gosto, tal como qualquer mortal gosta: viver o que nos dá prazer e conviver com os que amamos.


14 comentários:

Saramar disse...

Luiz, fico encantada com todas essas oportunidades que a poesia cria para unir pessoas bonitas, inteligentes, talentosas e amigas.
parabéns. você é um ser aglutinador de belezas.

beijos

Clauky Saba disse...

Olá poetamigo!

passei e tive gratas recordações daquele encontro de poetas no Barteliê

bjos

Clauky

Mara Narciso disse...

Falar com pessoas ligadas a cultura, levar a conversa para estimulantes exercícios intelectuais é presente para o bem estar dos neurônios--tratam logo de ampliar suas conecções--,equilíbrio psíquico e festa para a alma.

Não deixe de ir e nem mesmo de nos contar. Bom estar lá, mesmo que em suas palavras.

Mara Narciso

andrea augusto disse...

Muiittooo legal, Luiz! Tomará que da próxima eu consiga estar junto! :)

bjimm querido e sucesso!
andrea

André Luís Câmara disse...

Oi,
vi a indicação do seu blog no Guia de Poesia e vim conferir. Gostei das maravilhas que você saboreou pelos roteiros poéticos do Rio.
Voltarei.
Um abraço!

Madalena Barranco disse...

Querido Luiz, você não imagina minha alegria ao saber que você conheceu a Clauky, que é muito querida pela turma dos escritores da Ponto de Vista Literatura (atualmente fora do ar, mas conectados estamos no espaço Globoonliners)- ela é conhecida como Clauky Mágika > assim apelidada por outra amiga de Portugal, a "fadinha" Luisa Mota. Eu somente a conheço pela internet. Sua viagem deve ter sido mesmo uma delícia - obrigada por compartilhar conosco. Você divulga e conversa com o público leitor, algo que eu sinto falta por parte dos acadêmicos. Beijos.

Beth Luz disse...

Poetaço

Mais uma vez, rendo-me aos encantos de suas palavras e viajo nelas.
A poesia existe em todos os locais,mas poucos sabem homenageá-la!
Rio de Janeiro...berço de tanta poesia ,em cantos, versos,letras e povo ,principalmente.
O Cristo ficou feliz com sua presença aqui,enobrecendo cada um dos cantos onde foi!
Parabéns sempre!

Anônimo disse...

Meu Poeta (olha a posse!...rs):

Que grata surpresa rever-nos, agora e aqui, publicados (e retratados)!

Foi um prazer e uma honra, conhecê-lo e ouvi-lo poetar. Encontro inesquecível no Barteliê - de fato, uma esquina da Artes.

Agradeço sua presença por mim, e pelo Café Filosófico "Das Quatro" (orkut).

Soraya Vieira

Ligia disse...

Luiz ...sou mãe de poetisa Isabela Figueiredo,q fez Oficina Literária c/ Cairo Trindade.Ela agopra está afastada pq. seu bebê nasceu de 6 meses e as idas e vindas à UTI neonatal deixam-na exaurida...mas esse roteiro q. vc fez fazia parte da vida dela.Qdo li a sua crônica veio-me todo o movimento dela a cabeça.Pena q. vc não a conheceu.O Proa sabe quem ela é. Um abço petrosecundense

Chris Herrmann disse...

Ah, querido amigo poeta, aquele encontro do Café Filosófico "Das Quatro" no Barteliê foi inesquecível! Obrigada por descrever com tanto carinho aqueles momentos de pura poesia. Adorei estar com você e com nossos outros amigos poetas.
Grande beijo!
Chris Herrmann

Limeira disse...

Êeee poeta lindo! Saudades. Lembra-se dos "banhos"? Fiquei lhe devendo os tais "banhos" em João Pessoa. Saludos. Maria José Limeira.

Paulo Rubem disse...

Luiz mais uma vez me deleito com a sua poesia. Parabéns. Temos lá na ABL o Prof. Evanildo Bechara e o nosso colega Ex-aluno e Prof. do CPII Domício Proença.
Um grande abraço

Cássia Vicente disse...

Luiz é um prazer poder passear pelo seu Blog e conhecer sua tragetória poética.Que mundo mágico este!Abraços
Cássia vicente

Alan Rocha(ADR) disse...

Gostei muito do seu |Blog , tem muita informação e cultura e o que precisamos para mudar este mundo é exatamente isto cultura, continue assim fiz um blog de poesias minhas se quiserdar uma olhada.http://poesiavivanuncamorta.blogspot.com/, é sempre um prazer imenso encontrar pessoas que tenham a mente aberta e o coração cheio de esperança e amor, poesia é isto esperança , amor e sentimentos belos.felicidades ...ALan D Rocha