Páginas

sábado, agosto 19, 2017

Espaço José J. Veiga, há 10 anos no SESC




No SESC, há 10 anos...


Foram quase oito anos de andanças e pedidos, de portas-na-cara e más-vontades de todas as nuanças. Eu cuidava, desde os primeiros dias após seu desenlace, de instalar com dignidade e boa evidência os livros e objetos que constituem o acervo literário do amigo e autor exemplar José Veiga (para o mundo, há um jota-ponto no meio), como era de sua vontade.

José J. Veira, na pena talentosa de Almir
Ao lado, a amiga Dênia Diniz de Freitas, bibliotecária, incansável e competente, minha orientadora em todo o processo. Foi ela quem, coadjuvada pela filha Marina (então com 12 anos), inventariou todo o material que simplificamos ao chamar de “o acervo”. Do governador Marconi Perillo, naquele marcante 1999, ouvi o compromisso simplificado “Conte comigo”. E Nasr Chaul, presidente da antiga Fundação (que se tornou Agência) Cultural Pedro Ludovico, fez a sua vez. Trouxemos do Rio de Janeiro a “encomenda” e a instalamos numa sala da Casa de Cultura Altamiro de Moura Pacheco, da Academia Goiana de Letras, com o apoio do presidente da época, o confrade José Fernandes.


Dona Clérida, a companheira de meio século!

Viagens e mais viagens, visitas e consultas, audiências e conversas informais... uma canseira! E um receio incômodo de “morrer com o mico”, como no antigo jogo infantil. Até que, num flash, naquele abril de 2007, ao deixar o Lucas (então com quase 12 anos) no Colégio SESC Cidadania, eu disse à Mary Anne: “Já sei onde instalar o acervo do Veiga”. E apontei a belíssima estrutura arquitetônica que, mais que isso, era aquela escola que homenageia o saudoso Elias Bufáiçal.

Chegando à casa, liguei para o número de José Evaristo, presidente da Fecomércio goiana. Atendeu-me sua alma-gêmea, a poetisa admirável e amiga especial Sônia Maria Santos. Falei-lhe de minha ideia e já ganhei seu apoio. Liguei para o marido, que já saíra para o trabalho. “Luiz, não sou eu quem lhe dará a resposta, mas você a terá em 15 minutos”. Foram apenas quatro minutos, e ligou-me o Diretor Geral do SESC em Goiás, o também amigo Giuglio Cysneiros:


José Evaristo, a poeta Sônia Santos e Giuglio Cysneiros.
– É verdade que você quer nos dar um presente?

No dia seguinte, reunimo-nos, Giuglio e eu, na Casa Altamiro, da AGL. Ele se fazia acompanhar da equipe de bibliotecários. Avaliaram o que viam, anteciparam sua anuência em receber o presente, e assim se fez. Em pouco mais de 24 horas, a solução começava a ganhar forma.


Bibliotecárias Ana Maria (do SESC) e Dênia Diniz (que organizou o inventário).

Foram menos de cinco meses. Em dias finais de agosto daquele 2007, ligou-me o Cysneiros para contar que “está tudo pronto”, mas que estava proibida a minha visita ao local antes da inauguração. Fui ao Rio, convidei o imortal (da Academia Brasileira de Letras) Antônio Olinto – o primeiro crítico de Veiga, em 1959 – para vir a Goiânia e presidir a solenidade. Ele veio, com sua inseparável secretária Beth Almeida. Dênia veio de Belo Horizonte. Ajudaram-nos a acolhê-los o secretário municipal de Cultura, meu confrade e amigo, irmão e padrinho Kleber Adorno, e o prefeito Iris Rezende Machado regozijou-se por poder receber Olinto, seu velho amigo.

Na noite de 5 de setembro, na Biblioteca do SESC na Rua 19, deparei-me com a surpresa: a montagem da sala que se chamou Espaço José J. Veiga ficou impecável! E para meu regozijo, uma bela placa contava, sumariamente, a razão de tudo aquilo.


Dênia (à esquerda), a cerimonialista, eu e Giuglio, no Centenário de José J. Veiga.
Hoje, a Biblioteca está em novo espaço, na Rua 15, ao lado do Teatro SESC, ainda mais bonita e, com ela, o Espaço José J. Veiga. E já beiramos o décimo aniversário. Há dois anos, e justamente ali, recebemos Carla e Gabriel Martins, sobrinhos herdeiros do escritor, para os festejos do Centenário de José.

Sou grato ao SESC e seus dirigentes, meus amigos diletos, pois foi ali que encontrei guarida, com zelo e competência – e isso justifica a presente memória. E estou certo de que Veiga e Antônio Olinto também, de onde estiverem, abrem-se em sorrisos de gratidão.


*****


Fotos do meu acervo.




Luiz de Aquino é jornalista e escritor, membro da Academia Goiana de Letras.


Um comentário:

Sueli Soares disse...

Li, encantada, a crônica de hoje. Lamento não ter conhecido o Espaço, esperando que seus conterrâneos saibam valorizar o resultado do árduo trabalho. Parabéns, meu amigo!