Páginas

segunda-feira, julho 23, 2007

O amor ante a morte

O amor ante a morte

O amor ante a morte

A semana foi de amores e mortes. Considere-se a semana desde a noitinha da sexta-feira, 13 de julho, e termino-a algumas horas antes de se fecharem as 168 horas dos sete dias, até porque não preciso de todas essas horas (no intervalo, muitas foram as horas gastas com ocupações menores ou não-afins). Nas primeiras horas, o belo de cores e arte, de história e alegorias, de música e de movimento ora calculado, ora espontâneo; em meio a tudo, a vaia.

E vieram os jogos do PAN do Rio, uma festa de Brasil e Américas. Mas vieram as cores terríveis do choque e do fogo: a expectativa da chegada feliz deu lugar ao espanto e vez ao susto, à dor e ao desespero: não havia como morrer. A tragédia vaiava a vida.

O senador Antônio Carlos Magalhães, satélite de todos os poderes nos últimos 50 anos da vida política brasileira, não estava naquele avião; mas também deixara a vida a poucas horas do fim da semana. Alguém me fala em “fecho de um ciclo”; discordo, porque esse ciclo já começava a se fechar desde quando ele teve de renunciar para não ser cassado. De novo evoco o belo e a poesia... Sem texto, não há poesia; e a beleza, não existiria se o homem não a concebesse, não tentasse sempre recriá-la.

A morte do homem público diz respeito à história; as mortes de centenas de passageiros do avião da TAM causam comoção nacional, ainda mais quando vemos as chamas do querosene espalhado a expandir-se por papéis e outros inflamáveis. A dor é única, é brasileira, ecoa em cada família e em cada grupo de trabalho ou de passeio, de esporte e de ócio. É uma dor que cala fundo no peito da gente, mas é social.

Dor individual fica por conta dos parentes e amigos dos que se foram. Como a dor que se espargiu entre filhos e netos de Dona Valeriana, a octogenária mãe dos meus amigos Aidenor e Hildenor Aires. A mulher simples que, nos anos 50 do século passado, deixou o sertão oeste da Bahia e chegou à emergente capital nova de Goiás, onde trabalhou como pôde para educar seis filhos.

Daquela prole emergiram filhos dignos. E bem definiu o poeta Aidenor, à beira do sepulcro, ao evocar a vida de lutas árduas de que resultaram os filhos vitoriosos: “Ela foi como as mães e avós de muitos de nós aqui”, disse o poeta, “mulheres que não precisaram de cesta básica nem das esmolas dos governos para criar seus filhos com dignidade e honra”.

Dona Valeriana é daquela geração da década de 20, frutos de um severo após-guerra; a mesma leva que se viu buxa-de-canhão da II Guerra Mundial, os homens conduzidos aos “fronts”, as mulheres obrigadas aos sacrifícios inerentes aos estúpidos conflitos bélicos.

Bélico... de “bello”, guerra em latim; o mesmo latim que nos deu belo, de “belle” (adjetivo “lindamente”). Não há morte bela, ela sempre nos traz o trágico, a dor e um inarredável sentimento de solidão. E saudar a morte é ofício dos vivos. Dizem que a morte só dói entre os que ficam. Mas os que ficam, quando têm os conceitos que Aidenor conhece bem, entendem que a vida tem seu tempo, e o tempo de Dona Valeriana fechou-se na noite de quinta-feira, 19 de julho, 2007. Teve tempo de ver a cidade que escolheu para viver e criar os filhos render-se aos méritos de Aidenor.

E ela, agora, se apresenta ao criador com a simplicidade de Irene, preta e boa, de Bandeira. Pela vida que viveu, certamente ouvirá de Deus: “Você não precisa pedir licença”.


4 comentários:

Vânia Moreira Diniz disse...

Luiz querido,
Maravilhosa crônica. Todas os seus textos são fantásticos e eu lendo já sei que vem de você, mesmo não estando em seu blog.
Admirável escritor tem também algo que faz com que não queiramos que chegue ao final.
Linda e emocinante crônica!
Parabéns como sempre
Beijos
vânia

Rita Elisa disse...

Luiz, verdade...
"não há morte bela, ela sempre nos traz o trágico, a dor e um inarredável sentimento de solidão. E saudar a morte é ofício dos vivos. Dizem que a morte só dói entre os que ficam".
Sua colocação sobre a morte é de total sensibilidade. Não saberia colocar de maneira melhor. Vamos saudar a morte com paz no coração e esperança no fundo da alma!
Forte abraço!
Rita Elisa

Anônimo disse...

Bela crônica, Luiz! Adorei. Um beijo! Di

Mara Narciso disse...

" E saudar a morte é ofício dos vivos", uma bonita frase que me fez lembrar outro fato dramático que foi a explosão de um trem em Madri há três anos e que após ler um ensaio de Roberto Pompeu de Toledo sobre o atentado escrevi:
Brindar à morte é tudo que gostaríamos de aprender, já que sabemos tanto brindar à vida. Que esse momento se torne menos amargo para todos nós. Através dos olhos requintados de Roberto Pompeu de Toledo, pudemos ver que nosso encontro com ela pode ser mais do que normal. Pode ser um ritual aceitável para os que estão indo, e para nós que estamos à espera. E que isso não nos paralise nem nos tire a felicidade que é viver. (24/03/04)
Mara Narciso