Páginas

terça-feira, junho 24, 2008

Um cheiro de mar, talvez

Em 29 de abril, postei o poema "Um cheiro de mar, talvez" - mas o programa corrompeu a configuração, mudando tipo e corpo das fontes.

E aí, reproduzo agora o poema, com fundo musical e tudo mais... Confiram!

Obrigado,

Luiz de Aquino
video

24 comentários:

Nadja disse...

Bom dia Poetinha Amigo!
Ficou show de bola o video com a poesia e ainda mais a Música de Pinxinguinha :)
Forte abraço
Nadja

Nadir Rosa disse...

Oi Luiz,
Como tudo que voce faz, tem poesia...
beijos
Nadir

YaraPeçanha disse...

Lindooo!
Luiz, você deu Alma ao poema...
Vi, Li, Ouvi e Senti...
Bjs, Yara

José Silva disse...

Olá Luiz, essas coisas acontecem até mesmo com os "experts" em formatação. Certa vez fiz uim poema, ilustrei-o com minha foto. Depois de pronto, enviei-o para os amigos. Um deles mandou resposta agradecendo, mas ressaltando que fiquei parecido com Chico Anísio, pode?
Abraços
José

Eliane Malpighi disse...

Ficou bem bonita a associação do poema com as imagens, Luiz!

Parabéns pelos dois, poema e arte.

Beijo no seu coração,

Eliane

Jaires disse...

Você é tudo. Poema lindo excelente gosto na escolha da música. Parabéns! Vindo de quem escreve tão bem como você so da coisa boa... beijos .

Anônimo disse...

Bu@@@@@@@@,
Não sei se é minha conexão ou algum problema na página...
Mas, não vi o vídeopoema "Um cheiro de mar, talvez".
Eu volto, viu?
Abraço da amiga:
Malena

Irani disse...

Luiz, parabéns por tamanha sensibilidade. Por isso e por muito mais eu te admiro. Muito lindo mesmo! Adorei!
Beijo grande!!!

Ana Maria Pereira disse...

Luiz de Aquino, ficou uma beleza. Gostei do recurso utilizado. Parabéns.
Ana Maria Pereira

Claudia disse...

biiiiiito, sinhô!!!

Paulo Rubem disse...

Caro Luiz,
Lindo, mágico. Com cheiro de mar, de bar, som, saudades...
Um grande a braço p/ o Poeta.

Anna disse...

Arrasou !!!
Até deu pra sentir o cheiro do mar.
Abração
Anna

Madalena Barranco disse...

Olá querido Luiz,

Seu poema com cheirinho de sonhos de água e sal intensificou a beleza da paisagem do Rio de Janeiro, denunciando-lhe a poesia.

Beijos - ficou maravilhoso!!

Inês disse...

Luiz, excelente combinação da poesia em palavras, imagens e sons. Melhor impossível. Parabéns!
Inês

Anônimo disse...

Sua incrementada ficou simplesmente perfeita. Tanto as imagens como o som
deram uma intensidade especial ao poema. Lindo demais. Adorei! Faça outras como essa.
Rosane (Campos)

Rosamaria disse...

A poesia é linda e com a música do Pixinguinha ficou perfeita!
Parabéns!
Um abraço.

Anônimo disse...

Somente alma poeta para sentir o aroma do mar, o bonde,e ver o invisivel. Meus cumprimentos, você deu um Show.
Efigênia Coutinho
Presidente Fundadora
AVSPE
www.avspe.eti.br/

Soraya Vieira - RJ disse...

Hummm..."Carioca" pode se manifestar?...rs...

Ou se eu disser que adorei ver minha Cidade Maravilhosa, poetizada e musicada, estarei "me achando"?

Bem..."Tá Lindo e Tô Me Achando!"

Soraya Carioca Gaspar da Gema Vieira

Luiz de Aquino disse...

Soraya!
Rs rs rs rs
Pode se achar à vontade, é direito seu. Eu já sentia o Rio assim, antes mesmo de você nascer, imagina!

Cininho disse...

Muito lindo, com muita sensibilidade o Luiz resumiu as boas coisas que o Rio tem.
Abraços
cininho

Anônimo disse...

Querido primo
A poesia com a música do "nosso" Pixinguinha não poderia expressar com maior sensibilidade o espírito e belezas de nosso Rio de Janeiro. Beijo. Teresa

Wolney disse...

Caro poeta,
quero dizer
que a mistura do samba
com tuas letras
cheirando mar
me fizeram acreditar
que é mesmo possível
olhar a poesia
com múltiplos sentidos

parabéns!
Wolney

TH disse...

Adorei e, muito cara de pau, pergunto: como se faz isso????Como se monta o clipe com musica e o poema passando com imagens diferentes, como se fosse um pps?Thamar

gracas pinto disse...

Olá poeta, a crônica de hoje, 03.08.08 está maravilhosa. O ideal seria que muitos jovens oudessem ler, já que nas aulas de história da atualidade, quase não se fala de AI5, mas bom mesmo é saber naquela época os estudantes, aprendiam a pensar, o que está em falta nos dias atuais.