Páginas

sábado, março 15, 2014

Um dia de Poesia

Castro Alves

Um dia de Poesia


Lá pelos idos dos anos 80, um poeta jovem daqui da terrinha, Tagore Biram, conseguiu que a Câmara Municipal de Goiânia aprovasse uma decisão bonita: todos os anos, em dia mais próximo a 14 de marco, haveria uma sessão especial daquela Casa de Leis voltada exclusivamente para a Poesia. Tagore Biram mudou-se, foi morar no Chile, foi morrer no Chile (precocemente, aos 40 anos, em 1998). E desde que ele se foi, a Câmara Municipal de Goiânia e nós, os poetas goianienses, esquecemo-nos daquela decisão legal.


Tagore Biram (1958/98)
Sempre que me perguntam sobre poesia, respondo que a essência poética é do próprio ser humano e pode ser traduzida como a busca pelo mais belo e pela melhor forma – o melhor modo de se fazer qualquer coisa. Em suma, isso a que chamamos de arte. E os modos mais simples ou simplórios de se fazer arte estão na escolha das formas e cores das nossas roupas e calçados, nos objetos e coisas que compramos, no modo de dizer algo e é ápice na conclusão de uma peça de arte, desde uma canção ou melodia até os requintes de uma tela pintada, do bronze ou o mármore esculpidos e tem a melhor tradução na linguagem poética, escrita e (ou) falada .

As casas de leis (já que citei a Câmara Municipal de Goiânia), todas elas, contratam “experts” da Língua para finalizar os textos de seus “diplomas legais”; as empresas e repartições públicas  procuram conhecedores (redatores) para não fazer feio em seus textos oficiais. E muitos são os gestores, públicos e da iniciativa privada, que não disfarçam o orgulho por contar com um profissional literato em seus quadros (bem podiam pensar em remunerar melhor tais profissionais; mas o comum é pagar bem a uns raros profissionais e aos fornecedores de drogas, não é mesmo?).

Camões
Os poetas, em resumo, servem bem é à história dos povos. Isso, desde a antiga Grécia, séculos antes de Cristo. São inesquecíveis os poetas romanos e os que pontearam os fatos e feitos da humanidade ao longo também das chamadas Idade Média e Idade Moderna; foi Luís de Camões quem consolidou a nação lusitana com sua profícua produção poética, e seu contemporâneo Guilherme Shakespeare imortalizou a Língua Inglesa com seus poemas e peças teatrais, em textos igualmente imortais.

Shakespeare

No Brasil do Século XIX, o moço Castro Alves, nascido em 14 de Marco de 1847, expressou-se com força a maestria, a ponto de ser cognominado O Poeta dos Escravos. A partir dele, o movimento abolicionista ganhou corpo entre os intelectuais brasileiros. E em Cuba, José Martí surgiu, atuou e morreu marcado pela poesia e pela bravura de seus atos em combates pela liberdade. Neruda simboliza o Chile; Jorge Luís Borges, a Argentina; Pessoa, o Portugal destes tempos...
Gilka Machado


Eugênia Moreira
O Século XX, no Brasil, foi o período em que as mulheres despontaram também no fazer poético, e reporto-me a Gilka Machado, poetisa que, ao lado da jornalista Eugênia Moreira, escandalizavam a Capital Federal da década de 20, totalmente renovada pelas ações do prefeito Pereira Passos. Gilka escrevia poemas atrevidos até mesmo para os conservadores de agora; e Eugênia Moreira fumava charutos, falava palavrões e contava piadas “masculinas”... Era o Brasil do primeiro pós-guerra, aquele. Outro viria vinte anos após e renovaria o surto de novidades chocantes. A proliferação da Poesia no Brasil estava determinada e era irreversível.

Até eu me tornei poeta (desde 1961). Os primeiros poemas, felizmente, perderam-se no tempo, eram concebidos pela inocência de um adolescente ginasial, desde sempre um “menino apaixonado”, como me define, para aquela época, minha amiga Laurita da Luz, que escolheu para marido o meu melhor amigo, Paulo Fernando. E foi ela que, lá pelos idos de 1976, com uma curta frase ao telefone, cobrou-me a voltar à escrita dos versos.

E nunca mais parei.


* * *

5 comentários:

Mara Narciso disse...

Está bonita, cheirosa e saborosa a sua crônica Luiz, ou seja, atendendo a todos os cinco sentidos, pois enquanto vou escrevendo vou presenteando ao meu tato. Descreveu a coisa poética com a maestria dos entendidos. Eu não faço reparo nenhum, e afirmo que acrescentou muito a esse metiê (fr: métier). Palmas aos poetas.

Adalberto Queiroz disse...

Poeta,
Fazendo agora um post especial sobre o Tagore, noto que a foto do seu post é do "inimigo cordial"dele, Tagore, o sr. Pio (ícone?!) Vargas...

Luiz de Aquino disse...

Obrigado por avisar-me, querido poeta Adalberto de Queiroz - como vê, já providenciei a troca!
O poeta Pio Vargas foi outro que nos deixou muito cedo, em 1990, aos 26 anos.

Luane Rosa (por algum descuido, essa postagem, em 17/03/14, surge como minha, mas é da mestra Luane Rosa, amiga querida) disse...

Laurita da Luz, parabéns por sua inciativa de ligar para Luiz e cobrar-lhe sua produção!
Hoje somos privilegiados por termos em nosso repertório cultural goiano e brasileiro o artista
Luiz de Aquino, que a cada momento nos surpreende com uma nova poesia ou ainda nos faz refletir
criticamente a cada semana com suas crônicas tão bem pensadas e escritas!
Obrigada Luiz!

Adalberto Queiroz disse...

De fato, Luiz de Aquino, dois jovens poetas mortos.
Sobre o TAGORE BIRAM, escrevi hoje; sobre o Vargas, nem um PIO.
Convido seus leitores a visitar o post sobre o Tagore goyano.
https://betoq55.wordpress.com/2016/07/31/tagore-biram-1958-1998/
Abraços,
Beto.