Páginas

domingo, novembro 22, 2015

Omissão e protesto

Omissão e protesto




Publiquei ontem, no blog, a íntegra da palestra da presidente da Academia Goiana de Letras, Leda Selma, sobre o nosso saudoso e agora centenário escritor Carmo Bernardes.
Horas depois, publiquei a minha crônica semanal – Pilotando submarino – que saiu também hoje, na página 8 do DMRevista.
É comum acontecerem muitas curtidas, muitos comentários e também muitos compartilhamentos (no Facebook). Mas desta vez (pensei que fosse por conta do jogo decisivo do Vila Nova em luta pelo bicampeonato brasileiro da Série C), quase nenhuma curtida, quase nenhum comentário, pouquíssimos compartilhamentos (acho que só mesmo os de Zanilda Freitas, Jô Sampaio e Antônio Gomes – que também deixam comentários críticos importantes).
Ao verificar isso, republiquei a chamada para leituras. Talvez meus leitores estivessem, mesmo, ocupados de futebol nessas rodadas finais do Brasileirão e outros certames.
E decidi uma coisa... Não vou mais deixar o blog quase que limitado às crônicas semanais, não. Vou fazer comentários diários sobre qualquer coisa. Espero, assim, estreitar a minha relação com o leitor que gosta do meu texto, com o leitor que discorda e gosta de discutir (é assim que aprendemos, gente!) e o leitor que quer ler, apreciar, contestar, discutir, falar-mal e concluir que o autor é uma anta!
Mas o silêncio ante o texto de ontem-hoje foi barulhento! Por isso as discussões com os poucos manifestantes foi boa, providencial e geradora desta decisão de agitar o blog mais vezes durante a semana.
Vejamos o que me chegou no meio daquela omissão suspeita:
“Excelente crônica! Um desabafo pelos cortes sempre relacionados com a cultura! Por quê? Para os políticos, é melhor mesmo que o povo não seja culto e muito menos politizado”.
O medo é tanto, que ninguém curtiu sua crônica, depois dizem que enfrentaram os milicos nos anos de chumbo. Depois dos milicos em suas gavetas, todos se dizem heróis”.
Foi por isso que publiquei de novo, desafiando as pessoas a se manifestarem. Mas, como se deduz, a covardia é intrínseca, pessoal e generalizada. As pessoas são muito valentes até certo ponto.
Numa das manifestações anti-PT, acontecidas há poucos meses, ouvi na CBN entrevista com uma senhora manifestante - dondoca socialíssima da década de 70 e hoje sexy-avó. "Quero que meus netinhos saibam que a vovó não se acovardou, que a vovó veio para as ruas manifestar-se contra a esquerdização do país, contra a roubalheira dos esquerdistas". Ou seja: quando a direita roubava e os militares torturavam e matavam, a vovó foi morar no “zisteites”, voltou para ser outra vez foto de colunas sociais e entra na fase sexy (agenária) como militante anticorrupção. No momento certo - pensa ela!


E concluo, por hoje, com esta pergunta da atriz, poetisa e, para sobreviver, farmacêutica Zanilda Freitas:
– Por que temos sempre de engolir desaforos?
Assino também a pergunta dela. E justifico:
– Sim, por quê? Somos nós que elegemos, somos nós que pagamos impostos (abusivos e extorsivos) e somos nós que construímos a História, agindo e escrevendo.


***


4 comentários:

Valdir Ferreira disse...

Você está corretíssimo Luiz, não se pode ficar às sombras dos que bravejam contra os desmandos desse Governo, o debate de idéias é muito salutar, por é com elas que nos fortalecemos e abre novas perspectivas de comportamento e porque não um novo Grito.

Mara Narciso disse...

Faz bem em atualizar seu Pena&Poesia com maior frequência para fidelizar o leitor e movimentar a área. O Facebook e WhatsApp estão roubando leitores dos blogs, pois lá se corre a vista e já se sabe de muitas coisas. Quem não tem o hábito de ler escritos maiores se desanima fácil. Hoje eu já tinha entrando aqui, e também já tinha visto que seu texto do Submarino estava no DM Revista. Apenas agora vou lê-lo. E comentar. Falo mais do conteúdo. Da forma, deixo para os críticos literários.

Wanessa Cruz disse...



SOBRE O IMBRÓGLIO NA CULTURA.
Já prevíamos tudo, dado o tratamento irresponsável com os editais públicos, exemplo FICA, CAFÉ DE IDEIAS, ORQUESTRA, dado à extrema arrogância e prepotência da Sr. Raquel Teixeira, que não nos deu a devida atenção e respeito e nos recebia apenas na iminência de um manifesto público da classe, apenas com a intenção de nos calar e passar um melzinho em nossas bocas.
Estou chateada e incrédula, mesmo tendo tido êxito em alguns projetos meus e de parceiros. Não se trata de meu umbigo, trata- se do coletivo, trata- se de conquistas adquiridas com muita luta por artistas e produtores, trata- se de uma economia cultural, trata-se de projetos que mobilizam milhares de pessoas, projetos que contribuem na formação de jovens, que são importantes para toda a sociedade.
Alguns fazem piadas, tratam nossa cultura com desdém Não podemos permitir isso.
Precisamos trabalhar!!!!!
Somos profissionais da cultura!!!!!! Merecemos respeito!!!!!
Milhões são gastos em eventos do governo onde um grupo fechado trabalha há anos ( mesmos produtores, mesmo fotografo, mesmos apresentadores, mesmos curadores, mesmos coordenadores, mesma PANELA) o governo tem conhecimento desta panela e faz de TUDO para que isso continue. E ESTA PANELA, atribuidas a outros componentes invade também a AGETUR nos inúmeros festivais gastronômicos ( mesmos chefs, mesmos coordenadores, mesma EQUIPE...), É de responsabilidade do governo gerar emprego, gerar renda, FOMENTAR O ESTADO, fazer valer os editais públicos (PUBLICOOOOO!!!!!!!), os pregões eletrônicos, acompanhar as emendas dos deputados, verIficar e medir os resultados.

Estive com a secretaria Raquel no começo do ano e falei sobre todas essas dúvidas e observações, mas ela simplesmente ignorou e fez da forma que achou correto). Estivemos com ela no começo do ano para tentar falar da Lei Goyazes e do Fundo e ao meu ver aquela reunião foi mais um melzinho na boca da maioria!!!!! Não fomos ouvidos, ela falou de suas certezas e nos tratou com total desrespeito afirmando que não tinha medo de cara feia, COMO SE FOSSEMOS CRIANÇAS EMBURRADAS, RECEBENDO BRONCA DE UM ADULTO.
Se reclamamos, se nos posicionamos, se questionamos, somo limados, somos vistos como encrenqueiros, como maus perdedores, como CHATOS.
QUEM PERDE É O ESTADO!!!!! E não um ou outro.
Hoje a internet nos dá força, nos dá voz, nos une, nos oferece informações, mas precisamos usar isso para brigarmos e conquistarmos nossos direitos.
Infelizmente muitos falam aqui ou pelas costas, falam da DILMA, DO PT, DO CUNHA, DO CACHOEIRA, DO MENSALÃO, DA PETROBRÁS, E DE VÁRIOS ESCÂNDALOS, mas fecham os olhos e se acovardam diante de nossos gestores para manter o pouco ou muito que lhes cabe, da sua fatia, fechando os olhos para todo o resto.
Enquanto não houver coragem, não nos tornarmos adultos e independentes o suficiente para confrontar os reais problemas, do tamanho que são, não há possibilidade de mudança; as coisas, na verdade, tendem a PIORAR nesse quadro de passividade e conivência.

Anna Carolina Cruz Cacau disse...

Luiz. me orgulho ao ver que sua coragem despertou coragem em tantos outros!!! Wanessa sempre teve essa postura (da coragem e do jamais se calar perante asneiras como essas!). Mas tantos que, por covardia ou conformismo, se calam e escondem!!! Tenho imenso orgulho de vcs!