Páginas

terça-feira, outubro 20, 2015

Dia Nacional do Poeta

O poeta Menotti Del Picchia, motivador desta data-homenagem.

Ao poetariado nacional (*)


Neste Dia Nacional do Poeta, data inspirada nos saraus do inesquecível Menotti Del Picchia, evoco os anjos protetores, os capetinhas provocadores, os sacis e as fadas, as musas, as ninfas e, enfim, os seres do imaginário inexplicável, e também a fantasia que alimenta o poetariado, como os seres que nos despertam para o amor, a admiração e a devoção grata e súdita!

Conclamo o encanto dos astros que nos mostra a Noite, as cores da Natureza que nos revela o Sol, os aromas das flores e das folhas, o canto mágico das águas e das aves, as vozes dos animais e a energia prisioneira da mulher amada – ah, esses motivos eternos e indispensáveis!

Desdobramo-nos, nós poetas, em infindáveis leituras dos livros e do espaço. Memorizamos o passado acreditando que o transformaremos para o futuro. Mesclamos de magia e encanto o pensamento e damos à Língua o traje solene dos instantes de gala, vestimos a prosa de poesia e de forma para fazê-la poema. Não raro, pedimos auxílio à Música – talvez a mais encantadora das inspirações que nos legaram as Musas – e proteção ao Luar para gestar serenata!

E quando imaginamos o futuro, queremos os livros para esticar-nos para além do suspiro final desta vida. E tudo o que herdamos dos encantos dos irmãos poetas, estes de agora e aqueles de ontem, resumimos nos versos que, um a um enfeixa o poema que compõe o livro que não podemos custear.

E tal como a Lua, magistral e protetora, descobrimos os mecenas que nos abrem portais do possível, e nos vemos vestidos de elegante capa em miolo de papel sincero. E aos mecenas nossos de agora – Helenir Queiroz, Rildo Rosa Gomes e Luciano Lacerda (Totvs) – ofereço a gratidão do meu peito, em uníssona récita dos vates companheiros, rendendo-lhes preitos de obrigados-nós pela acolhida, pelo patrocínio, pela paciência e tolerância, pois, sabemos todos, não é fácil acolher um poeta (e, aqui, somos muitos!),

Beijo meu de alma e lealdade a todos os poetas do Brasil de agora, do Brasil de ontem e dos séculos de antes! Beijo meu aos mecenas deste nosso momento!

Luiz de Aquino 
Poeta, sim!


***

(*) Poetariado - palavra cunhada pelo poeta Brasigóis Felício e logo adotada por mim.

5 comentários:

Lea Paz disse...

Belas palavras! Belíssima homenagem!

Sonja Jayme disse...

Você com suas poesias torna a vida realmente uma poesia. Parabéns pelo dia do poeta, e pela linda homenagem!

marilda confortin disse...

Perfeito como sempre, amigo poeta. Beijos e abraços aqui do sul.

José Fernandes disse...

Essa crônica,meu caro confrade Luiz De Aquino Alves Neto, é para vencer o tempo. Parabéns e grande abraço!

Sônia Maria Santos disse...

Luiz de Aquino, parabéns pelo belo e inspirado texto!