Páginas

quinta-feira, junho 14, 2007

Educação e crescimento

Educação e crescimento


Fui escolhido, na Academia Goiana de Letras, para saudar o estudante Aurélio Sampaio Carrilho de Castro Póvoa, o vencedor do concurso “Soletrando”, do programa Caldeirão do Huck, na TV Globo. E do discurso, pincei este trecho:


Quem aprende bem a língua, aprende qualquer coisa. Já disse, e disse isso no tempo em que fazia faculdade, há uns quarenta anos, que os vestibulares deviam se constituir apenas numa boa prova de Língua Portuguesa, com avaliação de gramática: ortografia, regência, concordância... E, para consagrar essa avaliação, de modo a se notar que o aluno candidato não colou, uma redação. A redação demonstra se o cidadão tem raciocínio lógico; se desenvolve suas idéias de modo claro; se é criativo. Com um pouco mais de sensibilidade, o avaliador poderá perceber, na redação, até mesmo lampejos do caráter do candidato”.


Sou avesso às competições, senão as esportivas. Mas sei que a gente compete todos os dias, embora prefira não ter nas disputas determinantes em tudo e para tudo. Gosto é de imaginar as sociedades futuras pautadas nas relações solidárias:


Defendo, por isso, a grade curricular do Ensino Médio voltada muito mais para a formação humanística do cidadão. Ciências biológicas e exatas, no Ensino Médio, deviam centrar-se na vida quotidiana: biologia voltada para a Higiene e a Saúde; matemática e física com análises e aplicações na prática de todos os mortais comuns, em lugares de fórmulas mirabolantes (...)”.


Dá para se notar que, ao preparar a fala, fiquei no óbvio: senti que devia falar de educação e, inevitavelmente, de cidadania. É que, mesmo tendo visto apenas dois programas (o primeiro e o último), pude sentir que o concurso no Caldeirão do Huck saiu do trivial. Soletrar é algo meio que titibitati, chato, etc.; mas a produção soube bem conduzir a coisa e não houve enfado. Além do mais, a presença de um professor de excelente gabarito fez subir bem a qualidade (pena que o mesmo não consiga erradicar errinhos triviais da parte de alguns jornalistas e apresentadores da tevê como “há dez anos atrás”, entre outros).


O lado positivo, nisso aí, foi demonstrar que há ainda, no Brasil, ilhas de qualidade no falido ensino público. E que, com vontade e alguns recursos, é possível restaurar essa qualidade. Afinal, os professores da rede privada são, em boa parte, os mesmos do ensino público. Com as verbas devidamente entregues e aplicadas com critério, voltar-se-á ao tempo em que bons alunos iam para as escolas públicas; os fracos teriam de pagar. Talvez acontecesse boicote à rede pública. Então, com a disposição de fazer valer direitos, as ruas seriam poucas para as manifestações legítimas de resistência.


Isso também é cidadania.


E, diante do quadro emergencial que exige do Estado Brasileiro uma educação pública de alta qualidade, para que tenhamos, em poucas décadas, uma Nação da mais alta qualidade social, vou além: apelo para as autoridades da Educação e o Congresso Nacional para que modifiquem, com urgência, o perfil do ensino médio:


Defendo também uma medida urgentíssima ante as autoridades da Educação brasileira: que todos os cursos superiores nacionais, civis e militares, sejam acrescidos de disciplinas pedagógicas, de modo a conceder, a todo portador de diploma superior, o grau de licenciatura. Esta Nação precisa de professores. E todos nós podemos e devemos ser professores. Exigem-nos diplomas que nos habilitem profissionalmente, mas é preciso até mesmo ‘diplomar’ os pais, pois são estes os primeiros educadores”.


Vale a pena pensar nisso.

9 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Caro Luiz,
Obrigado pela sua visita e comentário.
Da "vista de olhos" que dei ao seu blog, vi que é uma pessoa das letras. O que ainda mais me leva a apreciar e a agradecer o seu comentário (não tenho qualquer formação literária - sou engenheiro - e escrevo apenas para me divertir).
Deste seu post, há um parágrafo que se poderia aplicar a Portugal:
"...há ainda, no Brasil, ilhas de qualidade no falido ensino público. E que, com vontade e alguns recursos, é possível restaurar essa qualidade. Afinal, os professores da rede privada são, em boa parte, os mesmos do ensino público."

Achei também que a sua proposta das disciplinas pedagógicas, sendo inusitada, faz todo o sentido. Porque mesmo no mundo do trabalho industrial, onde me situo, esse saber será muito útil.
Bom final de semana.
Abraço.

Lenita Naves disse...

Caro poeta Luiz de Aquino,
boa tarde/noite.

Estou com VC em sua palavras ao vencedor do soletrando -Aurélio_
Ele mereceu vencer e, ao saudá-lo, vc escreveu o básico mas, tocou naquilo que mais precisamos hoje aqui no Brasil: EDUCAÇÃO DE QUALIDADE.Não às fórmulas que nunca mais se usa. Não ao ensino de várias matérias sem nenhum nexo entre si e que nada ensinam para a vida.
O cidadão precisa ter espírito e senso crítico, coisa que nossas escolas não estão proporcionando aos alunos.
Li comentários de vários "educadores" condenando o quadro "SOLETRANDO" do programa "Caldeirão do HUCK" -será que alguns deles deram alguma contribuição maior para a educação que não seja criticar ?? Eu duvido ...
Abraço para VC.
Continue a defender uma educação de qualidade para nossos jovens porque só ai o Brasil realmente terá futuro !
Lenita Naves

Madalena Barranco disse...

Querido Luiz, a importância de saber expressar-se pelas letras confere compreensão a qualquer matéria, seja da área de humanas, exatas ou biológicas. Sou a favor de um ensino que tenha a amada "língua pátria" em alta consideração. Ainda bem que há gente das belas letras, assim como você, pela cultura brasileira!Beijos.

Madalena Barranco disse...

Ah, parabéns Luiz, por prestigiar esse menino, que é um orgulho para o país! Quem sabe agora que "deram a partida", aparecem mais concursos desse tipo? Beijos.

Mara Narciso disse...

Palmas para Luiz de Aquino e seu homenageado. Você tem idéias e sabe como ninguém colocá-las na tela. Aprovo a sua reprovação a nossa grade curricular,e a falta de praticidade dos conteúdos dos cursos fundamental e médio. Apreciei muito a sugestão do estudo da Pedagogia em todos os cursos superiores.

De fato tudo começa com a educação, embora alguns defendam a saúde em primeiro lugar,porém sou mais a educação, pois com conhecimento automaticamente teremos melhores maneiras de alcançarmos a saúde.

PS: Fiquei atenta ao uso da mesóclise, recurso que você não gosta muito, mas ficou bem colocado até para sofisticar a homenagem.
Mara Narciso

maris stella disse...

Luiz
Educação para nós, brasileiros, hoje, está no nível do sonho de um possível retorno aos modelos educacionais bem sucedidos do passado, dos salários dignos recebidos pelos professores e da aprovação em massa pelas escolas públicas de alta qualidade que atendiam de forma satisfatória as necessidades do indivíduo, preparando-o
de forma surpreendente para um futuro totalmente imprevisível.
Inacreditável, mas hoje, as escolas particulares, aplicando os mesmos projetos pedagógicos de outrora , estão aí obtendo igual sucesso que era sim, privilégio da rede pública.
Seu texto é mais um alerta e mesmo um registro de toda a decadência da nossa Educação que um dia, foi prioridade neste país.
Parabéns a você e ao menino Aurélio.
Beijos,
Maris Stella

Cinthia disse...

17/06/2007

Olá Poeta,

Gostei imensamente deste texto, "Educação e crescimento",onde, mais uma vez, pegando gancho, demonstra sua eterna preocupação com a formação do cidadão. Parabéns! Outrossim informo-lhe de que adquiri alguns livros seus na Livraria e Editora Cultura Goiana. Todos são ótimos,porém, a meu ver, cito "A noite dormiu mais cedo" com o conto, "A descoberta", como o que mais me impressionou. No mais aproveito para lhe augurar as maiores felicidades nos seus empreendimentos literários. Grande abraço!
Maurílio Alves Neto
maurilioafa@bol.com.br

by_isa disse...

Olá Luiz
Concordo plenamente que o conhecimento do idioma e a sua utilização correta é condição indispensável para a conclusão e o recebimento do diploma em qualquer curso.
Infelizmente eu não me lembro de ter tido um professor de português que eu possa ter considerado BOM. E olha que até um deles depois foi eleito para a Academia Brasileira de Letras.
Quanto ao ensino fornecido na maioria das escolas públicas é sem comentários....!

Luiz de Aquino disse...

by_isa

Isa, eu tive a sorte de ter encontrado alguns bons professores de Português, sim. Felizmente!
Obrigado por comentar; e saiba que seu comentário empata com meu momento, que é questionar professores. Sempre gostei muito de professores, mas os maus professores andam aí pela ordem de 70% dos profissionais no ensino. E são eles que impedem a melhoria da Educação no País, pública e privada; e são eles que impedem, em todos os níveis, medidas que possam elevar a qualidade do Ensino, pois, se o ensino melhorar, eles perdem seus empregos.