Páginas

quinta-feira, dezembro 31, 2015

Memórias tristes

Há cerca de 90 anos, era essa a paisagem caldas-novense, no largo que hoje se chama Praça Mestre Orlando.



Memórias tristes


Sim, é Caldas Novas...

A cidade em que apenas duas arquiteturas urbanas foram salvas. E, não por coincidência, ambas criadas pela família Gonzaga de Menezes – a igreja, edificada por Luiz Gonzaga de Menezes, dando origem ao povoado (em 1850 foi sacralizada) – mas os desinformados afirmam que a história começa em 1911, o ano da emancipação política (como se nascêssemos ao completar 18 anos).

A Igreja (primeiro, de Nossa Senhora do Desterro; depois - e até hoje - de Nossa Senhora das Dores) era assim até 1928.
Essa igreja tinha duas torres, até 1928. Os danos do tempo pediram reforma, mas a torre à direita (de quem a observa) exigia mais investimento e a solução, ante a falta de dinheiro, foi a amputação. Veja, agora, o que escrevi há poucas semanas no grupo (Facebook) “Caldas Novas das antigas”:

A meu pedido, e sobre uma foto feita por mim, o artista plástico e jornalista Sebastião Prates, um dos mais notáveis dentre os artistas goianos, acrescentou a torre mutilada em 1928... Essa arte é de 1981, o ano em que um padre um tanto afoito, com o apoio de um Conselho Paroquial intencionalmente montado só com forasteiros, resolveu demolir a Igreja - a mais antiga das edificações, origem do povoado que se formou em entre 1848 e 1850, por iniciativa de Luiz Gonzaga de Menezes. Como jornalista, atuei com dedicação para impedir esse crime patrimonial e histórico - e venci, graças a Deus!
Em 1928, a torre foi "amputada". Sebastião Prates sugere, aqui, que se restaure a parte faltante. 
Foi justamente na década de 80 que senti cristalizada a invasão da cidade. Ora, éramos todos descendentes próximos, em primeira ou segunda geração, de pioneiros adventícios. Por isso, suponho eu, aceitamos passivamente a vinda dos novos habitantes, que diziam “ter escolhido viver” na minha terra – mas a motivação não era o amor telúrico, mas a gana ambiciosa da exploração turística.

Esse aspecto é o que tenho na memória desde sempre (nasci em 1945, a pucos metros da Matriz de Caldas Novas).

E deu no que deu... A segunda edificação é o famoso Casarão dos Gonzaga, o sobrado onde nasceu o Dr. Osmundo Gonzaga (tio da minha cunhada Lucinha). E a transfiguração dos imóveis sobreviventes – de residências para fins comerciais – “enfeiou” a cidade. Dezenas ou centenas de construções que só sobrevivem em velhas fotos em preto-e-branco – ou nas memórias de nós próprios, antes que a senilidade as apague ou o tempo nos vença.

O famoso Casarão dos Gonzaga - é a outra obra que conserva, ainda, o aspecto arquitetônico
original. O resto, bem...


Há algumas décadas a sociedade local não tem sequer a tranquilidade de eleger um bom prefeito – o último, se bem me recordo, foi Antônio Sanches – um forasteiro que respeitou a cidade (e não sei de outro que possa ser definido assim). A Câmara Municipal, na atual gestão, tem apenas um caldas-novense nativo em sua composição – Sílio Junqueira. Em vias de reeleger-se para mais um mandato, o atual prefeito (que conclui em 2016 seu terceiro mandato) tripudia sobre a memória da cidade, ignorando sua história e protelando a reforma do tradicional Balneário Municipal Pedro Tupá.

Enfim... É ruim encerrar um ano com este desabafo memorial. É triste, porém, um cidadão portador das vantagens do Estatuto do Idoso ver sua terra natal ser vilipendiada em troca do interesse pessoal de um pequeno grupo de empresários e políticos. Esse mal-estar ensina-me que é compreensível o medo natural ante as mudanças – é que as mudanças por nós permitidas costumam, muitas vezes, virar-se contra nós próprios.

A população consciente de Caldas Novas é mínima... e muito triste.

Mas renovemos nossas esperanças para 2016. Quem sabe os poderosos mudem e passem a proporcionar alguma alegria ao povo?

* * *

Luiz de Aquino é jornalista e escritor, membro da Academia Goiana de Letras.


4 comentários:

Ana Maria Taveira Miguel disse...

Querido Luiz, acabo de ler seu artigo sobre sua terra natal, Caldas Novas.
Você, como sempre expõe com clareza e veemência , além de mostrar as datas, toda sua justa indignação pelo descaso com sua lendária cidade. Em minha terra, havia uma fazendeira idosa, rica e viúva, amiga de minha
mãe que ia, duas vezes por ano para os " banhos
milagrosos" em um balneário, lá, em Caldas.E eu sempre tive uma curiosidade enorme por aquela cidade onde a água " saía quente" dos reservatórios direto para as " grandes banheiras" onde se curavam, pessoas com dores reumáticas!
Feliz Ano Novo!

Sueli Soares disse...

Anônimo Sueli Soares disse...
Meu último fim de semana em Goiás passei na sua cidade natal, que considerei bastante agradável. Evidentemente, não posso opinar quanto às mudanças; só lamentar pelos fatos que você descreve. Renovem-se, então, as esperanças!

1 de jan de 2016 12:41:00

Mara Narciso disse...

Valorizo seu desabafo memorialista. Sem memória não temos futuro.

cleidimar paula disse...

Quem não conhece seu passado não vive o presente e tampouco tem perspectivas para o futuro.Feliz o povo que preserva sua história