Páginas

segunda-feira, janeiro 26, 2009

O amor, como o dia


Luiz de Aquino 


Um amor de verdade 
nunca é grande. 

Amor de durar é calmo, discreto. 
Tranqüilo como um lago 
na montanha. 

Um grande amor prenuncia 
grandes tragédias, 
desastres fatais 
términos dolorosos. 
Um amor de verdade 
não exige flores no começo, 
poemas para exaltar. 
Nem pede socorro aos amigos, 
divãs de analistas. 

Amor de durar 
só pede a paz dos dias 
de todos os dias, 
do acordar de manhã 
à paz que antecede o anoitecer. 
As tempestades, estas 
perdem-se tristes 
no mormaço das tardes. 

A noite é parceira 
da paz renascente. 



Do meu livro Sarau (Goiânia, 2003). L.deA.

18 comentários:

Anônimo disse...

Boa Noite Poeta!... Parabéns!Maravilhoso!Liiinnndddooo! Ireci Maria.

Lílian Maial disse...

Amor é nosso, vem de dentro, independente do que houver fora. Já a paixão, é química e loucura!
Belo poema!
Beijocas,
Maial

www.lilianmaial.com

Tec@ disse...

Oi, Lu.lindo, adorei! Mudou bastante o seu estilo usual, mas acho q tb mudei, heheheh, e vc deve ter mudado um pouco tb. Gostei. Beijos grandes da sempre amiga Vera

Luiz Delfino de Bittencourt Miranda disse...

O amor nuna é demais e também "o nada".
É "aquele silencio curto" que se interpoe entre as palavras.

Amigo Poeta, seu poema verte em infinitas poesias que sempre desejam refletir este nada.

Parabéns por mais esta obra.

Abraços

Cristina Dumont disse...

Parabéns! O amor é sereno sim, paixão é outro papo. Beijos!

Anônimo disse...

Saudosismo ou outro nome qualquer nao importa... O que é importa é o sentimento puro... Lindo, lindo amigo!
bjs
Sinvaline

Beth Luz disse...

Voltou!
O grande poeta voltou,brilhando como sempre...fazendo o leitor vivenciar as letras,as rimas,alertando os sentidos adormecidos .....está reinando a paz !
O amor reapareceu florido, doce, terno como sempre.
Fiquei feliz!

Mara Narciso disse...

Quase ninguém se interessa em cantar esse amor de enlevo, de calma e paz. Dá muito mais páginas o amor/paixão, intenso, dolorido, doentio e sufocante. Para ler, melhor o outro, dramático e sanguinolento, mas para vivenciar, o amor modorrento, feito as tardes quentes no Sítio do Pica-Pau Amarelo pode ser melhor.

Gostei da imagem do lago calmo na montanha. É isso daí, sem tirar nem pôr.

Placidina Lemes de Siqueira disse...

... Seu poema, amigo Luiz (Luz), parece o João, apesar de não deixar-me dormir, literalmente. Porém, porém, pergunte à Meiriane...

Belo poema, belo amigo.

Abraço imenso.

Placidina

Delírios das Borboletas disse...

Lindo poema.parabéns!

Lenita Naves disse...

OI, Luiz, é um saudosismo agradável e lindo de se ler.
Toca fundamente o coração.
Saudosismo vale a pena quando vem da pena (perdoe
o trocadilho) de um poeta tão sensível como vc...
Parabéns !!
Um grande abraço
Lenita

Alex Pinheiro disse...

Da poesia que só quer existir,,, Gostoso ler/conhecer seu trabalho.

Abraços e aromáticas invenções!

Márcia disse...

Parabéns poeta...Lindo, perfeito
Maravilhoso!...Adorei! Márcia

Anônimo disse...

Belíssimo, meu amigo. Um beijo, Di.

Maria Lindgren disse...

Saudosismo, não. É sentimento que não esmorece nunca este de poeta
Um abraçao
Maria Lindgren

Carmem Souto Maior disse...

Muito belo seu poema!
Concordo com suas palavras:
"Amor de durar só pede a paz dos dias". Como diz a letra da música "Todo amor que houver nesta vida": "Eu quero a sorte de um amor tranquilo..." Abraços e parabéns!

Heliane disse...

Gosto muito deste, também. É muito lindo!
Beijos

marta disse...

Amor ......e......rio
Paixao.....e......mar
Amor.......e.....chuva
Paixao.....e.....tempestade
Amor.......e.....sorriso
Paixao.....e.....lagrimas
Ceu........um.....poeta
Luz........um..... Luiz
bjs meu amigo, parabens sempre