Páginas

sexta-feira, janeiro 02, 2009

Ano-Novo feliz! (*)

Ano-Novo feliz! (*)

 

Luiz de Aquino

 

Percorri, com paciência, meus escritos em prosa nos últimos trinta meses. Trinta? Sim, nada de cabalístico, apenas o período em que passei a publicar um “blog” e que soma, para minha alegria, mais de quarenta e duas mil visitas.

Reli minha mensagem de Ano-Novo ao final de 2006 e entendi que devia repeti-la, sem perda do sentimento de amor e esperança de que nos imbuímos a cada mudança no calendário. Meu amigo Nilson Gomes dirá que estou publicando coisas já publicadas, cobrando-me novidades. Respondo-lhe, e aos que concordarem com ele, que os músicos sempre repetem, em seus xous, as composições que fizeram sucesso.

Não sou tão pretensioso... Vou repetir aquela crônica porque gosto dela, ainda que não esteja nas paradas, e com ela mando um beijo de alma a todos os que gastam tempo lendo meus escritos. O tema era o sete, mas nossa imaginação há de criar desenhos mágicos com o nove...

 

* * *

 

Um Ano-Novo é novo até que o jornal do primeiro dia fique

velho. E isto acontece poucas horas após o despertar do

sujeito, em ressaca ou não. Mas um Ano-Novo é um marco

de recomeço, de renovação instintiva do Ser Homem, fêmea

ou macho, ainda que o ano não nos traga

um número de referencial.

Como este, por exemplo.

 

 

As luzes e os estouros vários

e fogos ao céu, em escuro de fundo,

sugerem: em dez segundos, seremos nós

a contar na ordem inversa. É como se de tudo

se fizesse o novo e novos rumos e portas ressurgem.

 

Não é nova a década que vem.

Nem o ano é novo de todo, porque

adiamos decisões, acertos, e faltam-nos

coisas muitas: rever pessoa amada, recomeçar

os planos e trazer de ontem apenas a cor da saudade.

 

 

É novo o ano, e chega a ser referencial de fé: nove é

bom de cabala. Que nos lê sorte, sem mistério.

Mas dois mil e sete.. Mas não é, sequer,

simétrico, como o é dois mil e dois.

Não é, mesmo, espelhado.

 

Mas há certa mente capaz de bom desenho, a fazer,

do sete, um dois invertido. Aos zeros, no meio,

dá-se de certo o que é inverso aos iguais e,

aí, sim, um visual grato aos olhares

faria do Ano (Novo) bonito.

 

...Que lhe deseja
este Aquino, Luiz

 

 

 

Luiz de Aquino  é escritor e jornalista, membro da Academia Goiana de Letras. E-mail: poetaluizdeaquino@gmail,com

9 comentários:

Amiga sel disse...

Bela mensagem,tão poética quanto foi na época publicada, números são apenas detalhes,o que disse é o que importa.Ano novo,fica sempre velho ao amanhecer.Ao analisarmos que os problemas continuam os mesmos a espera de solução.
Perfeita!Beijos

Mara Narciso disse...

Que o blog amplie mais e mais o número de leitores. O escritor só acontece se alguém ler o que escreveu. Assim, considere-se lido.

Uma vez, no momento da virada do ano, o meu filho, então com uns 8 anos, começou a chorar. Era pelo ano velho que acabava. Milagrosamente temos a capacidade de enxergar uma estrada nova, com o ano que se inicia, mal termina o outro ano. E você soube mostrar isso muito bem. Mesmo com um jeitinho requentado, a crônica está bonita.

Anônimo disse...

Não gasto tempo lendo seus escritos,na verdade, aproveito todo o tempo que tenho apreciando suas lindas palavras.
Beijo.
Abadia Lúcia

Irinéa Maria disse...

Então, Luiz de Aquino, só posso desejar muitas letras, acentos, palavras,idéias novas, paciência com os críticos, e que eu possa estar sempre entre seus frequentadores, usufruindo do direito `a boas coisas, como seu Pena & poesia.
Vc não imagina como me sinto feliz ao entrar no meu mundo, aqui no Canadá,e poder interagir com pessoas lindas!
Obrigada por tudo, por suas crônicas,por sua amizade, e suas poesias, que tocam minha sensibilidade!
Feliz 2009!

Sônia Marise Teixeira disse...

Bom dia, poeta!
Sua crônica de hoje, ainda nos lembrando que o Ano é Novo, me inspirou a sugestão de um Feliz OLHAR novo,
que pode, realmente, fazer a diferença nos próximos 12 meses de nossas vidas.
parabéns pelo texto, Feliz Ano NOVE.
UM abraço,
Sônia Marise

Romário Nogueira disse...

Através da minha cunhada e professora Jaires “IRINHA”
eu obtive o link para seu blog e gostei muito dos seus
escritos e te convido a uma visita no meu blog
APENAS POEMAS = http://euronog.blogspot.com

Sandra Falcone disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Luiz de Aquino: notável, poeta, boêmio, intelectual, escritor, ah, já virou redundância!!!!!!!!
Quanto à violência, saudade dos bons tempos do Buteko, onde íamos e voltávamos a pé, pelas ruas do Setor Oeste, sem medo de nada.
Para ficar apenas na saudade!!!!

Um abraço
Paulo Rolim
americorolim@terra.com.br

Anônimo disse...

Luiz de Aquino: notável, poeta, boêmio, intelectual, escritor, ah, já virou redundância!!!!!!!!
Quanto à violência, saudade dos bons tempos do Buteko, onde íamos e voltávamos a pé, pelas ruas do Setor Oeste, sem medo de nada.
Para ficar apenas na saudade!!!!

Um abraço
Paulo Rolim
americorolim@terra.com.br