Páginas

sexta-feira, janeiro 16, 2009

Uma crônica de Leda Selma (propósito do Acordo Ortográfico)

TREMA DE RAIVA, SIM!

 

 

Lêda Selma (*)

 

 

            Trema de raiva, Lêda, o trema caiu! Aguenta, compreensão! Ah! que importante aquele “u”, feito lavadeiras emparelhadas, carregando na cabeça suas malas de roupa, com toda elegância, a despeito dos que não lhe davam trela ou, tampouco, lhe demonstravam simpatia! Pois é, até a tranquilidade, intranquila, perdeu sua referência, sequestrada, após anos e anos sob ameaça, num encher sem fim de linguiça: Portugal, Brasil e afins.  O Brasil tomou a dianteira, bateu o pé, e o Acordo acordou, saiu da gaveta e, desde 1º de janeiro último, começou atazanar o sossego de quase duzentos milhões de brasileiros, os grandes faladores e difusores da língua portuguesa.

 

            O Novo Acordo Ortográfico nasceu, cresceu, adolesceu e, depois de muita lereia, com pinta de paranoia, impôs-se aos lusófonos, sem cara de debiloides, mas com jeito de androides, depois de tanto diz-que-diz-que; tudo feito sem tramoia, juram. E nosso alfabeto, oficialmente, reintegrou as gringas k,y, w, usadas só em certas situações.

 

Soberana, mas nem estoica ou heroica, a unificação, permeada de exceções e de concessões, consumou-se, titubeante, tropeçando nos primeiros voos, com certo enjoo (quem sai ao vento, perde o acento!). Deem vivas os que veem como relevante essa panaceia ortográfica que, na verdade, unificou sem unificar! As pobres duplas “oo” e “ee”, se tomarem sol e chuva, paciência! Chapéu? Ih! nem pensar! De minha parte, não abençoo as novas regras, nem me magoo com elas; com ressalvas, perdoo Houaiss pela iniciativa.

 

Confesso: detestei a malfadada ideia! O resultado? Cefaleia! E tudo sem acento! Por quê? São paroxítonas com ditongos abertos e, por isso, perderam seu acompanhante, o acento agudo. Outra remodelada, isto é, desacentuada, pasmem, a feiura, que acabou ainda mais feia. Sina de todo “i” e “u” tônicos, precedidos pelos tais, os ditongos abertos. Já a viúva, benza Deus! manterá seu arremedo de falo, pois autônomo, o hiato salvou o “u” da viuvez. Também, as oxítonas terminadas em “éis”, “éu”, “ói”, “i” e “u”, mesmo pluralizadas, ficarão com o sinal gráfico em cima dos topetes. Arrebóis, lumaréus, tuiuiús, céu afora, ostentarão sua inteireza que, por sorte, não foi para o beleléu. Ah! as proparoxítonas? Resguardaram-lhe a integridade. Pródiga decisão!

 

A mesma sorte não teve a pera, que pela de medo dos pelos daquele bigode sobre a boca que a abocanha. Entenderam?! É, os conhecidos pares pára/para, pêlo/pelo, péla/pela, pólo/polo não têm mais diferencial, mas o “têm”, no plural, tem, como sempre. Duas duplas escaparam: pôde/pode e pôr/por. Já o circunflexo de fôrma é opcional, fica a gosto do usuário. Pôr lenha na fogueira, não quero; contudo, ninguém pôde me dizer se pode responder isto: qual a forma do bolo?

 

            Preparem-se para perder os cabelos, pois a questão do hífen continua problemática e tumultuando paciências. Houve até separação de casais que viviam em perfeita união. Infernizaram, ou melhor, hifenizaram tanto a vida deles que, agora, estão ligados por uma ponte: micro-ondas, anti-inflacionário... Os que fazem essa dobradinha que o digam, coitados! 

 

Seguindo a rotina de antes, os antagonistas além/aquém, pré/pós e, ainda, “ex”, “sem”, “recém”, “vice”, “pró” permanecem separados de seus companheiros pelo hífen. Portanto, se seu ex-amor partir para além-mar, pós-rompimento, fique sem-chão, pois algum recém-chegado deve estar cobiçando aquele coração pró-romance novo.

 

Bem, se tanto faz contato ou contacto, acadêmico ou académico e outras liberações, houve unificação? Incontáveis dúvidas, muitos pontos controversos fomentarão, por muito tempo, essa polêmica que tem ainda um longo caminho...

* * *

Leda Selma é poetisa, contista, cronista, professora de Língua Portuguesa e Literatura, membro da Academia Goiana de Letras e publica crônicas, aos sábados, no Diário da Manhã, de Goiânia. E-mail: poetaledaselma@hotmail.com

3 comentários:

Mara Narciso disse...

Tive a oportunidade de ler algumas crônicas sobre o acordo ortográfico, mas a de Lêda Selma, além de tocar em todas as mudanças, traz um quê de graça e inventividade. Sem fazer força, a leitura diverte e ensina.

Placidina Lemes de Siqueira disse...

Ajuda-me a falar com Lêda... Pois... pois... a minha PARAÚNA continuará com a bengalinha (´) mesmo sem que ninguém jamais tenha se interessado em saber o porquê.
E para complicar vou usar, por conta própria, (já que originou-se do Tupi), em um saudosismo de doer, o meu caiapó: PARÁ-UNA. Aí, sim, não há o risco de dizer PARAUNA (que se pronunciava paráuna, esse au, ditongo decrescente e que alguns até chamavam de ditongo perfeito, pois difícil, senão impossível, de virar hiato, só mesmo forçando com o acento na semi vogal u, não era?).
Viu? O paraunense, em se tratando de evolução da língua com suas transformações fonéticas, segue a lei da persistência da sílaba tônica, a lei da consoante inicial, porém, não segue a lei do menor esforço, e sim a do maior trabalho, PARÁ- UNA!!! KKK
Placi//dina.

Maria Helena Chein disse...

Também achei excelente essa crônica de Lêda Selma.
Um abraço,

Maria Helena