Páginas

segunda-feira, janeiro 05, 2009

Ao primeiro sol do dia

Ao primeiro sol do dia

 

 Luiz de Aquino


  Vontade de olhar o mar, mas preciso olhar o mar

do alto, buscando algo que escape ao algoz

de qualquer instante.

  

Há sempre alguém que segura a corda

pela ponta, e faz um laço de nó grosso

ou gordo, e dói...

  

Olhar o mar é aspirar a liberdade

e sonhar grande, ainda que sob estrelas, e estrelas

parecem pequenas, sempre.

  

Acho que te dou a mão sob o céu e o sol

de uma manhã em João Pessoa.

É que estou te amando.

8 comentários:

Jane Botti disse...

Poeta precioso que nos embriaga com um mar de rimas, onde as estrelas são testemunhas do desejo que lhe cobre o coração...gosto do poeta e de seus versos! Bjs

Raul Longo disse...

Luiz:

Gostei da brincadeira com o nó górdio. Um mar frígio que você tornou gordo e dolorido.

E sou seu aliado na defesa do trema. Totalmente anti-ecológica, essa resolução genocida numa penada só nos extingue com todos os sagüis. Jamais me conformarei com essa matança desnecessária e injustificável.

Abraço grande!
Raul Longo
pousopoesia@ig.com.br
pousopoesia@gmail.com
www.sambaqui.com.br/pousodapoesia
Ponta do Sambaqui, 2886
88.051-001 - Floripa/SC
Tel: (48) 3206-0047

Anônimo disse...

Luiz querido

Que beleza de poema... tem muita coisa sua que eu amo de paixão, mas este é especial...

parabens da amiga de sempre

sandra

Sandra Falcone disse...

Luiz,

Seu último poema é maravilhoso, você tem muitas coisas de que eu gosto, mas este é bom demais...

parabéns, meu amigo.

Sandra

Mara Narciso disse...

Que imagem linda! "Olhar o mar é aspirar liberdade". Amo o mar, para caminhar na praia olhando-o. Agora sei, pelas suas palavras, que olhá-lo tinha essa intenção.Sob a luz do sol ou sob o brilho das estrelas, o mar será sempre o mar. Não haverá corda capaz de impedí-lo, qualquer que seja o algoz, e por mais grossa que ela seja.

URda Alice Klueger disse...

Meu, que lindo!
Urda.

Irinéa Maria disse...

...É...o retorno do poeta alegra meu coração!
Não emudeça seus versos.
Deixe-os cair como pétalas sobre nós!
Meus dias ficam ensolarados
Minhas marés cheias
Minha lua enluarada....
saudades

flavina disse...

Belo poema, Luiz.
Grande abraço.